A LBM em cartaz: Junho, Julho e Agosto LBM Em Cartaz

Caríssim@s,

Não, não foi falta de vergonha na cara. Nosso post mensal com as estreias do mês desapareceu por dois meses, mas já foi encontrado. Ele passa bem e volta com muitas fofocas sobre a LBM nas telonas.

***

JUNHO

O mês de junho teve muitas emoções. Feliz ou infelizmente, isso não se refletiu nas telonas, com apenas uma estreia lbmística nesse mês.

Clique aqui para ouvir a música-tema de “Raça” enquanto lê nossos comentários sobre a tradução do filme.

RAÇA

A estreia isolada do mês foi o filme sobre a vida de Jesse Owens, mais especificamente do período em que ele recebe uma bolsa universitária para treinar atletismo até a Olimpíada de Berlim, na qual ele bate recordes e deixa Hitler com cara de bunda (ponto para Owens). O filme obviamente tem um apelo muito maior para o público americano, por se tratar de um herói nacional. Mas com a Olimpíada do Rio, foi legal relembrar mitos de outrora e também perceber o quanto os Jogos estão permeados de política e questões sociais e como fica a visibilidade das pessoas no meio disso tudo. Para quem estiver interessado nesse tema, pode dar uma olhada no projeto Rio Visível, que trata do tema da visibilidade das pessoas locais durante os Jogos deste ano.

Resultado de imagem para race movie

Chupa, Hitler.

Mas vamos falar de tradução. “Raça” é um filme longo, mas que não tem uma enorme quantidade de diálogos. O processo correu tranquilo e a parte linguística não apresentou desafios específicos. Claro, a gente quase escreveu “tênis”, em vez de “sapatilha”, mas conseguimos nos corrigir a tempo. Como sempre falamos aqui, tratando-se de um filme de outra época, devemos tomar cuidado extra com termos anacrônicos. Nossa legenda preferida do filme foi : “Os chucrutes levaram uma invertida há 20 anos. Agora estão tentando se reerguer”.

 

JULHO

Julho deu um passo à frente e nos garantiu duas estreias nas telonas, bem diferentes uma da outra, para garantir férias ecléticas no cinema para o público.

A ÚLTIMA PREMONIÇÃO

O terror trazido pela PlayArte, distribuidora tradicional de sustos, conta a história de Evie e uma casa mal-assombrada. Como foi bem colocado pela crítica do Adoro Cinema, “A Última Premonição pertence ao subgênero do terror destinado a explorar os limites de mulheres frágeis, histéricas e possivelmente psicóticas, numa filiação clara a clássicos como O Bebê de Rosemary” (clique aqui para ler na íntegra).

Pobre Evie, ninguém acredita nela.

Como a maioria dos bons filmes de terror, nenhum desafio específico na tradução. Para a LBM, que traduz filmes de terror com frequência, o gênero terror, junto com as comédias, tem sido um território de exploração e experimentação na questão do rompimento com regras gramaticais muito rígidas que ainda imperam no cinema. Temos afrouxado bastante sobretudo nos imperativos e uso de pronomes, o que parece dar um respiro para a leitura das legendas e garantir mais naturalidade ao texto diagonal.

LIFE – UM RETRATO DE JAMES DEAN

A segunda estreia do mês, da Paris Filmes, foi um filme superbacaninha sobre James Dean. Ao contrário da maioria dos filmes biográficos, Life não conta a história do ídolo desde sua infância até morte. Ele foca no período em que Dean faz amizade com Dennis Stock, fotógrafo da Revista Life (daí o nome do filme). Dennis foi quem fez as famosas fotografias de James Dean pouco antes da sua morte num acidente de moto. A escolha desse momento “pouco ilustre” pode parecer estranha, mas revela detalhes importantes nas coisas simples e corriqueiras da vida de ambos os rapazes.

Eis a capa da edição que traz as fotos batidas por Dennis.

Bom filme de assistir e de traduzir. Recomendamos!

 

AGOSTO

Enfim, chegamos a agosto com filmes mais recentes.

 

NEGÓCIO DAS ARÁBIAS

Nossa primeira estreia, em parceira com a Mares Filmes, foi “Negócio das Arábias”, com Tom Hanks.

Resultado de imagem para negócio das arábias

Essa cara de perdido do Tom Hanks se repete muito durante o filme.

Um filme não muito falado, mas com falas muito precisas e carregadas de diversas intenções. “Negócio das Arábias” é bem o tipo de filme que parece fácil de traduzir, mas que pode dar muito errado se não levarmos em consideração as sutilezas e a importância que os diálogos trazem em conjunto com a imagem.

 

PERFEITA É A MÃE

Resultado de imagem para bad moms

Bad moms dando uma desopilada

A comédia estilo chuta-balde da Diamond Films chegou bombando na segunda semana de agosto. A tradutora principal do filme, nossa colaboradora Juliana Lacerda, escreveu um breve depoimento sobre a experiência de traduzir o filme:

“É sempre muito divertido e prazeroso participar de projetos como ‘Bad Moms’, uma dessas comédias que vale a pena ver e rever e que vai arrancar risadas todas as vezes. O elenco é maravilhoso e o roteiro é hilário, explorando o talento das atrizes muito bem. Sempre que conto às pessoas que traduzo legendas para filmes, muitos pensam que é uma maravilha e que passo o tempo todo rindo e me divertindo enquanto trabalho, e explico que não é bem assim. Mas devo dizer que desta vez foi o caso! Claro, como qualquer trabalho, teve seus desafios; adaptar uma piada aqui, abrir mão de algumas palavras ali, mas foi um filme que me deu liberdade para “brincar” com gírias e achar soluções legais para expressões idiomáticas. Espero que quem vá ao cinema curta o meu trabalho e, principalmente, o filme!”

Obrigada, Juliana. Com certeza todos curtiram muito 🙂

NERVE

E, enfim, na última semana do mês, uma das estreias mais aguardadas do ano: “Nerve – Um Jogo sem regras”.

A logística do filme foi um grande desafio para todos os envolvidos, em diversos aspectos. Para começar, criamos toda uma linguagem especial para o filme, tendo em vista o público jovem. Verbos como “stalkear” e frases como “Que vergonha alheia” podem ser achados nas legendas.

Resultado de imagem para nerve

Jogador deitado num trilho de trem básico

Mas para além dos aspectos linguísticos, o filme foi desafiador pela quantidade absurda de textos na tela. Ao contrário das famosas cartelas que costumamos encontrar em filmes aqui e ali, “Nerve” apresenta uma interação dos dispositivos tecnológicos, como celulares, computadores e tablets, com a tela. As mensagens dos dispositivos aparecem translúcidas como se a própria tela do cinema fosse o dispositivo. E aí, José? A distribuidora fez uma lista de cartelas que seriam nacionalizadas e nós prosseguimos com a criação de documentos paralelos ao arquivos de legenda que discriminavam todos os textos da tela, com indicações de entrada, saída, diálogos próximos e posicionamento. Esses documentos tiveram que ser recriados algumas vezes por conta de mudanças nas decisões do que seria nacionalizado ou não. Mas deu tudo certo e o filme está lindão em cartaz.

Para @s noss@s mais que querid@s leitor@s do blog, estamos disponibilizando oito ingressos para assistir “Nerve” que valem no Brasil todo. As quatro primeiras pessoas a escreverem para blog@littlebrownmouse.com.br pedindo, levam. 🙂 Não esqueça de colocar seu endereço para a gente postar!

***

É isso aí, rapeize. Em setembro voltamos com mais novidades e reflexões do ratinho!


Tradutora e revisora de legendas para cinema há dez anos. Leitora de livros, Piauí, The New Yorker e todo tipo de porcaria da internet, mas sobretudo de legendas. Viajante (em todos os sentidos). Sócia-fundadora da LBM, seu projeto de vida, com o maior orgulho do mundo.

Deixe uma resposta