Post Inaugural: Especial Moviola Mistureba

Amigões e amigonas da LBM,

Por quase quatro anos agora, damos as boas-vindas a vocês no nosso blog. Hoje, trazemos o #tbt mais emocional possível: o nosso post inaugural.

Em 2014, ele contou a vocês um pouco da nossa história pessoal como empresa familiar e do nosso trabalho com cinema. Falou muito e sobretudo da moviola, nosso querido equipamento de pietagem. Em 2018, vemos que tanto mudou: nossa moviola hoje mora na Cinemateca de São Paulo, após doação feita pelo sócio-pai; meu avô não está mais entre nós; e os cinemas no Brasil estão quase 100% digitalizados, bem como os processos de legendagem. E, é claro, ninguém mais fala em pietagem, exceto figurões das antigas, como nós.

Esse revival tem por objetivo relembrar e comemorar a evolução do blog, da nossa empresa e da indústria como um todo. Serve também de esquenta para um guest post mais do que especial de alguém que manja muito de moviola e pietagem e vai dividir sua história conosco semana que vem.

Entramos no túnel do tempo.

***

 

Amiguinhos e amiguinhas da LBM, bem-vindos ao nosso blog!

Neste post inaugural, queremos primeiramente agradecer a sua disposição em perder alguns instantes para nos conhecer melhor. A Little Brown Mouse é uma nova marca, mas não é de hoje que fazemos o nosso trabalho. Nossa empresa é composta por esta que vos fala, Ligia, e seu digníssimo pai, Claudio, a quem carinhosamente me refiro como sócio-pai.

Tudo se iniciou quando o sócio-pai (que não era nem sócio, nem pai) começou a fazer bicos de tradução com empresas da área cinematográfica para garantir o sunday do Joakin’s nosso de cada dia, isso em torno de 1974. Então, você se pergunta: “Onde raios esse coxinha foi arrumar um trampo desses?”. Foi tudo facilitado pelo meu avô, Adone Fragano, que foi diretor da Fama Filmes e da  Paris Filmes e até hoje mantém uma empresa de produção e distribuição de filmes aqui no Brasil (beijinho no ombro). O sócio-pai se enveredou por outros caminhos profissionais no começo da sua vida adulta, mas não se realizou, retornando assim à tradução e pietagem de filmes em 1990 (quando já era pai, mas não sócio) e transformando o bico em sua bem-sucedida carreira que adentra os dias atuais.

Como o fruto não cai muito longe do pé, eu já no colegial comecei a fazer trabalhinhos de tradução com o sócio-pai, que pacientemente me explicava que sand dollar não era um dólar de areia (sabe aquelas bolachas do mar? então) e outras coisas do tipo. Isso me levou a estudar Letras e me profissionalizar no caminho das línguas. Alguns anos depois, nos associamos com a criação de uma empresa, e esse é o momento em que gosto de pensar que o sócio-pai atinge seu ponto alto pessoal e profissional, tornando-se simultaneamente meu pai e sócio. Bem, cá estamos. Talvez sejamos familiares pois vez ou outra você viu nossos nomes assinados ao fim da exibição de um filme no cinema, talvez nunca tenha prestado atenção. Preste atenção a partir de agora, pois a assinatura virá no nome de Little Brown Mouse!

Bem, agora você já nos conhece melhor. Mas, espere aí. Talvez ao ler a breve introdução acima você tenha empacado na palavra “pietagem”. Esse substantivo bacana designa o trabalho feito para definir o espaço/tempo que se tem para escrever cada legenda. Se você é fuçado e já usou algum software de tradução de legendas, deve estar pensando: “Mas não é só apertar uma tecla para parar quando o caboclo começa a falar e outra quando ele termina, escrever a legenda na caixa de texto e o computador faz o resto?”. Bem, não é tão simples assim. Para a legendagem de mídias como TV e DVD, os softwares funcionam bem dessa forma mesmo. Não é a coisa mais gostosa ficar lá fazendo isso, mas o processo é relativamente simples. Processo semelhante também existe para cinema quando se trata dos que já estão digitalizados, cujo produto final exibido no projetor chamamos de DCP. Porém, nem todos os cinemas (na verdade, talvez a maioria deles) são digitalizados. Muitos deles ainda trabalham com as cópias de 35mm, que são aqueles rolos de filmes clássicos e pesadões que muitas vezes são usados como símbolo do cinema. Para definir o espaço/tempo das legendas nessas condições, é preciso fazer a pietagem numa máquina chamada MOVIOLA (foto). E, depois de muitos rodeios, isso nos traz ao verdadeiro sentido do post inaugural, que é justamente contar para vocês sobre a querida moviola que temos conosco.

20140417_140452

Edit 2018: Saudades, moviola!

Afinal, o que é uma moviola e como ela funciona? Um pouco de história antes. Voltando a 1974, quando o sócio-pai começava a fazer seus trampos como tradutor e marcador e quando nenhum cinema era digital, fez-se necessária a existência de uma moviola com a qual pudesse trabalhar a qualquer momento. Assim, nesse mesmo ano foi encomendada a fabricação de uma moviola exclusiva. Ela foi feita no Rio de Janeiro pela Titra Filmes, empresa de legendagem da época, e foi adaptada a partir de uma enroladeira de filmes. Olhando para a foto da moviola, imagine apenas a mesa com os carretéis. Isso seria uma enroladeira, instrumento usado meramente para rebobinar rolos de filme. Bem, a partir dessa enroladeira, foram adicionadas as seguintes peças: um leitor de som com lâmpada excitadora, uma lâmpada para leitura de imagens, um amplificador, uma caixa de som e um contador de pés. Pronto, estava feita a moviola!

Agora sim, como ela funciona? Como uma imagem vale por mil palavras, vamos assistir ao vídeo com alguns segundos de pietagem (não deixe de notar a elegância do sócio-pai operando a moviola).

A moviola funciona através de um processo fascinante no qual uma lâmpada lê o som do rolo de filme. Sim, uma lâmpada! Ela é chamada de lâmpada excitadora. Assim, o trabalho na moviola é prioritariamente auditivo. Caso haja alguma dúvida que só uma olhadinha na cena pode resolver, há também uma lâmpada normal que ajuda a pessoa marcando o filme a enxergar o que aparece nos minúsculos quadradinhos do rolo que exibem o filme fotograficamente, segundo a segundo. Uma lupa também pode ajudar nessa hora. Melhor dar uma corridinha no computador e assistir a cena lá, não é mesmo?

Construída em 1974, este ano a moviola completa 40 anos. Vamos encerrar este post agradecendo mais uma vez nossos leitores e desejando que a moviola viva mais 40 anos nos ajudando a realizar pietagens maravilhosamente precisas, para que ninguém tenha que passar pela terrível experiência de assistir filmes com legendas fora de sincronia 😉 Parabéns, moviola!


Tradutora e revisora de legendas para cinema há dez anos. Leitora de livros, Piauí, The New Yorker e todo tipo de porcaria da internet, mas sobretudo de legendas. Viajante (em todos os sentidos). Sócia-fundadora da LBM, seu projeto de vida, com o maior orgulho do mundo.

Observações

  1. O blog está lindo 🙂

  2. Bem-vindo ao mundo, Little Brown Mouse! Que possamos aproveitar por muitos e muitos anos o belo trabalho da sócia-filha, do sócio-pai e da bela esquisita moviola. Como dizemos antes de entrar no palco: MERDA!
    Deus abençoe a empreitada docêis.

  3. Maravilhoso, Fantástico, Estupendo. Texto SensAcional!!! Sucesso!!! Bjs Da Prima—Sobrinha—Nao—Sócia

  4. Alessandro Commisso Diz: junho 9, 2014 at 2:12 am

    Bom o blog. Muito bom.

  5. Dico (futuro sócio) Diz: junho 9, 2014 at 2:44 am

    Parabéns LBM, assim são os primeiros passos de uma grande empresa, fundada em raízes sólidas.

  6. marcello Diz: junho 9, 2014 at 3:05 am

    mto bom o texto! mesmo vendo uma moviola ha tanto tempo, nunca tive tanta clareza de como funciona! alias, recomendo para um novo post uma foto da moviola-irma q habita aqui em casa, ate pq ela eh esteticamente diferente dessa dai!

  7. Parabéns, Lígia, e vida longa à LBM. Aliás, nome, logo, blog, tudo muito bacana.

  8. Fernanda V. Diz: junho 10, 2014 at 9:05 am

    Que lindo post, lilis! Muito bem escrito e interessante… não que eu esperasse menos do que isso vindo de você!
    Parabéns a você e seu sócio-pai pela LBM, pelo blog e pelo video!
    Como não poderia faltar, saudades de além-mar de alguém que te gosta muitíssimo! 🙂

  9. Muito bom! Parabéns pelo blog e pela escrita!

Deixe uma resposta